Há sete termos nas línguas originais traduzidos por “inferno” e “sepultura”, nas Bíblias de língua portuguesa, resultando em grande confusão entre os estudantes da Bíblia, principalmente aqueles menos preparados.


Estes sete termos são: Seol, Hades, Abussos, Abadon, Tártarus, Geena e Trofete. Desses sete referidos, vamos focar o termo “Hades”.
A palavra Hades, de acordo com o texto referido quer dizer: “LUGAR DE TORMENTOS” (Lc. 16:23). Nesse lugar terrível de sofrimento as pessoas são atormentadas dia e noite sendo queimadas por chamas negras que nunca se apagam. Em um futuro próximo o próprio Hades será jogado no lago de fogo (Ap. 20:14) e então o juízo de Deus estará concluído.
Por este texto fica claro que:

No inferno há um tormento eterno (Lc. 16:23 e Ap. 14:11)
No inferno há fogo do juízo em forma de labaredas negras (Lc. 16:24).
No inferno o homem tem consciência do que está acontecendo, pois o seu espírito é imortal (Lc. 16:23).
No inferno há memória, pois a memória humana só será apagada quando houver novos céus e nova terra (Is. 65:17).   No hades, por ser um estado intermediário, haverá  lembrança  de  tudo      (Lc. 16:25 e 28).
No inferno não se perde a razão (Lc. 16:27 – 30).
No inferno é lugar de justiça (Lc. 16:25).

3.1 – Considerações a respeito do Inferno

a) – A Doutrina sobre a existência do Inferno é teologicamente visível em toda a Bíblia, mostrando assim que esta doutrina nunca foi contra a Bíblia, mas corroborada por ela. Leiamos: Dt.32:22; Jó 22:6; Am.9:2; II Pe. 2:4; Pv. 27:20; II Tes.  1:7-9; Ap. 14:9-11; Mc.9:47-48; Mt.22:33; Lc.16:22-23; Mt. 25:47-46… É impossível duvidarmos do ensino das escrituras e da seriedade com que Jesus Cristo falava acerca do Inferno. O tom do ensino de Cristo indica fortemente que o inferno é um lugar literal.

b)    — Sobre o inferno ser irracional, a Bíblia mostra o contrário:
A Bíblia diz: “Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele é loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1 Cor. 2:14). A doutrina do inferno só é irracional para o homem natural, não convertido. Dai ser fácil concluir porque certas pessoas acham o ensino sobre o inferno irracional, eles nunca nasceram de novo. Somente os nascidos de novo entendem a Palavra de Deus e não recusa nenhuma verdade por mais dura que seja.

c)    — A doutrina do inferno não é contrária ao amor de Deus:
Todos os que falam assim deixam de reconhecer a santidade de Deus e a necessidade do pecado ser punido por causa dessa santidade. Lembremos que Deus é amor e o amor é Deus. Deus amou o mundo inteiro e quer que todos se salvem (I Tm 2.4). Apesar de Deus querer salvar toda a humanidade, Ele não age contra a vontade humana. O homem é, por determinação de Deus, um ser livre para escolher o bem ou o mal. O inferno não tinha sido projetado para o ser humano, e sim para o Diabo e seus anjos (Mt 25.41). Entretanto, a desobediência fez o homem receber o mesmo destino (Mt 25.46).

d)    — A doutrina do inferno e do lago de fogo não é repugnante à justiça:
Se a justiça nos fosse feita, cada um de nós receberia a condenação que merece (Jo.3:18). Merecemos a justiça, mas Deus nos concede a misericórdia pela sua graça, por causa do seu Filho Jesus (Rm.3:26). Todos devem ser salvos da mesma maneira, através dos méritos de Cristo (Ef.2:8-9). Deus é justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. O Inferno é, sendo os ensinos cristalinos da Palavra de Deus, uma dura realidade que até gostaríamos de não aceitá-la. Mas como não somos réprobos que torcem a verdade por achá-la dura demais, nós nos curvamos diante da soberania de Deus. E pior é que, o inferno não só é uma realidade, mas um lugar de sofrimento (Judas 7), lugar de dor (SI. 116:3), lugar de tormentos (Lc. 16:24,25,28), lugar de ira (Ef.2:3, Cl.3:6), lugar de condenação eterna (Mc.3:29), lugar de tormento eterno (Mt.25:41 ,46; Mc.9:44-46).

3.2 – INFERNO, SHEOL e HADES na V. B.
(Segundo o Dr. Davis)

1. Lugar dos mortos. É uma das traduções da palavra hebraica Sheol e da grega Hades, Sl 16:10; At 2:27. A versão revista da Bíblia inglesa do Antigo Testamento, tanto no texto como a margem, usa a palavra Sheol; nos livros proféticos, emprega-se a palavra Cheol nas margens e a. palavra inferno no texto, e em Dt 32:22;Sl 55:15; 86:13 emprega Cheol nas margens e abismo no texto. Em o Novo Testamento usa a palavra Hades, no texto. Ambos os vocábulos também se traduzem por sepultura, Gn. 37:35; Is. 38:10,18; Os. 13:14. A versão revista inglesa traduz Sheol por morte em Ico. 15:55. Não há certeza quanto à etimologia da palavra. Sheol tem o sentido de insaciável em Pv 27:20 e 30:15, 16. Hades pronunciado sem aspiração, significa invisível. Tanto como um como outro termo denotam lugar dos mortos. Os antigos hebreus, semelhantes a outras raças semíticas, imaginavam o Sheol embaixo da terra, Nm. 16:30, 33; Ez. 31:17; Am. 9:2. Pintavam-no como tendo portas, Is. 38:10 região tenebrosa e melancólica, onde se passa uma existência consciente, porém triste e inativa, II Sm 22:6; Sl. 6:6; Ec. 9:10. Imaginavam o Sheol como sendo o lugar para onde vão as almas de todos os homens, sem distinção alguma, Gn. 37: 35; Sl. 31:17; Is. 38:10, onde os ímpios sofriam e os justos gozavam. É importante notar que a doutrina autorizada dos hebreus sobre Sheol, dizia que só Deus era conhecido, e que estava na sua presença, Pv. 15:11; Jó 26:6; que Deus estava presente a ele, Sl 139:8; e que os espíritos de seu povo e as suas condições naquela habitação, estavam sob a vigilância de seu olhar. Esta doutrina inclui a grande bênção de Deus para com o seu povo depois da morte, gozando da sua presença e de seu constante amor, e, ao mesmo tempo, a miséria dos ímpios. Dois lugares de habitação pa­ra os mortos: um para os justos com Deus, e outro para os ímpios, banidos para sempre da sua presença.

A doutrina a respeito da glória futura e da ressurreição do corpo, já era confortadora aos crentes do Antigo Testamento, Já 19:25-27; Sl 16:8-10; 17:15; 49:14, 15; 73:24; Dn 12:2, 3.Uma base para esta doutrina encontra-se no exemplo de Enoque e de Elias que foram arrebatados, e também na crença dos egípcios com que se relacionaram, durante séculos, os hebreus. Havia entre ambos os povos, idéias paralelas a respeito da vida futura e da relação de moralidade da vi­da presente com o bem estar futuro, além da sepultura. Porém, só Jesus Cristo poderia derramar luz plena sobre a imortalidade revelando as bênçãos para as almas salvas, habitando na presença de Deus, depois da morte, livres de todos os males da presente vida, Lc. 23:43; Jo. 14:1-3; IICo. 5:6-8; Fp. 1:23.

2. Lugar de tormentos e miséria. 

Neste sentido é que se traduz a palavra grega Gehenna, em Mt. 5:22, 29, 30; 10:28; 18:9; 23:15, 33; Mc. 9:47; Lc. 12:5; e Tg. 3:6. É a forma grega do hebraico Gehinnom, vale de Hinom, onde queimavam crianças vivas em honra de Moloque. Por causa destes horríveis pecados que se cometiam ali, por causa das suas imundícias, e talvez por servir de depósito ao lixo da cidade, veio a servir de emblema do pecado e da miséria, e o nome passou a designar o lugar do castigo eterno, Mt. 18:8, 9; Mc. 9:43. Das cenas que se observam ali, a imaginação tirou as cores para pintar a Geena dos perdido, Mt. 5:22; comp. 13:42; Mc. 9:48.

Na IIPe 2:4, onde se lê: …. “precípitando-os no inferno”, é a tradução do verbo tartaroô, significando — lançar no Tártaro. O Tartarus dos romanos, o Tartaros dos gre­gos, era o lugar por eles imaginado, para onde iam as almas, situado abaixo do Hades. Ainda que a etimo­logia seja diferente, Geena e Tártaro incluem essencialmente a mesma idéia — lugar de punição para os perdidos.

Ainda J. Davis diz o seguinte sobre o Paraíso: “Os Judeus faziam distinção entre o paraíso superior e paraíso inferior, o primeiro era uma parte do Céu e o segundo uma divisão do Hades destinado às almas dos justos. No NT a palavra paraíso, quer dizer céu em dois lugares distintos, II Co. 12:2, 4; Ap. 2:7; 22:2. E por isso é tomada na mesma acepção em Lc. 23:43.

E sobre alma ele afirma: “No sentido ordinário da palavra, a alma é uma entidade espiritual, incorpórea, que pode existir dentro de um corpo ou fora dele. (Dicionário Bíblico – Ed. 1989 – Juerp; págs.. 26, 286, 287 e 444)


Fonte: http://www.cacp.org.br/

0 comentários:

Postar um comentário

Tags

10 Mandamentos 1Coríntios 1Reis 1Samuel 1Tessalonicenses 1Timóteo 2Coríntios 2Reis 666 Aborto Abraão Adão Adultério Adventismo Alá Albert Einstein Aleluia Allan Kardec Alma Amalequitas Ameaça Amizade Amor Aniversário Anjos Anti Cristo Antigo Testamento Apocalipse Apócrifos Apologética Apóstolos Arca de Noé Arminianismo Arqueologia Arrebatamento Arrependimento Árvore da Vida Ateismo Baruque Bate-Seba Batismo Besta Bíblia Big Bang Bizarro Blasfêmia Bode Bode Expiatório Bondade Bruxas Budismo Caim Calvinismo Candomblé Cântico dos Cânticos Caridade Carma Carnaval Carne Casamento Catolicismo Cavaleiros do Apocalipse Celebridades Céu Ciência Cientologia Cinema Circuncisão Ciúmes Classe Social Coliseu Colossenses Condenação Confissão Positiva Confucionismo Conhecimento Conhecimento Histórico Coração Cordeiro Corpo Corpus Christi Cosme e Damião Cotidiano Crenças Crentes Criacionismo Crianças Criminosos Cristão Cristianismo Crucificação Cruz Culpa Cura Curiosidades Daniel Darwin Davi Decepção Demônios Desenhos Deus Deuteronômio Devocional Diabo Dificuldades Bíblicas Dilma Rousseff Dilúvio Dinossauros Disney Dízimos e Ofertas Dons Espirituais Doutrinas Dúvidas Eclesiastes Éfeso EG White Egito Elanã Eliseu Erros Esperança Espiritismo Espírito Santo Esportes Estudos Bíblicos Evangelho Evangelho de João Evangelho de Lucas Evangelho de Marcos Evangelho de Mateus Evangelismo Evolucionismo Êxodo Ezequiel Facebook Falsos profetas Famosos Fanatismo Fantasmas Faraó Farsas Fatos Filantropia Filmes Filosofia Fim dos Tempos Física Fome Força Fraqueza Gaio Gálatas Ganância Gênesis Gideão Glória Golias Graça Hamas Hebreus Heresias Heróis Homem Homossexualismo Humilhação Igreja Igreja Evangélica Imagens Incenso Infantil Infarto Inferno Inquisição Interessante Internet Invocação Isaías Islamismo Israel Jardim do Éden Jeremias Jesus Cristo Jezabel João Batista João Calvino Jogos John Piper Jonas Josué Jovem Rico Jovens Judá Judaísmo Judas Judas Iscariotes Ladrão Laodicéia Leão Lei Leitura Levítico Liberdade Línguas Estranhas Listas Livro de Jó Livros da Bíblia Lua Lúcifer Lucro Lutero Mal Malaquias Maldade Maldição Maldições Hereditárias Manassés Maomé Marca Marca da Besta Marco Feliciano Maria Médium Melquisedeque Mentira Microcefalia Mirra Mitos Moisés Mormonismo Morte Motivacional Muçulmanos Mulheres Múmias Musica Namoro Natal Nefilins Neopentecostal Nero Noé Noticias Novela Novo Testamento Números Obelisco Ocultismo Ódio Oração Oráculos Orgulho Orixás Oséias Ouro Ovelhas Paganismo Pai Papa Para Refletir Parábolas Páscoa Paulo de Tarso Paz Pecado Pedofilia Pedro Pentateuco Perseguição Pobreza Polêmica Política Poltergeist Possessão Demoníaca Predestinação Preguiça Profecia Profetas Provações Psicologia Purgatório Raabe Raul Seixas Rede Globo Redes Sociais Reforma Protestante Reis Religião Ressurreição Revolução Riqueza Rocha Roma Rosa de Saron Sábado Salmos Salomão Salvação Samaritanos Sangue Santos São Jorge Satanás Satanismo Saul SBT Segunda Vinda Seio de Abraão Seitas Semana Santa Senaqueribe Sentimento Sete Espíritos Sexualidade Sinais Síndrome Sinistro Síria Sobrenatural Socialismo Sol Sonhos Stephen Hawking Subliminar Sugestões Suicídio Taoismo Televisão Templo de Salomão Teologia Teologia da Prosperidade Terra Terra Prometida Testemunhas de Jeová Textos Transformação Trindade Trono Tutancâmon Twitter UFO Universalismo Universo Verdade Vida Vídeos Violência Youtube Zacarias