Encontrava-me em Herculândia, no interior de São Paulo, em 26 de dezembro de 2004, quando a CNN noticiou a ocorrência de um inesperado e terrível maremoto que acabara de devastar o litoral de doze países asiáticos. A tragédia causada por aquele tsumani que, em japonês, significa águas do porto, era apocalíptica: mais de 250 mil pessoas eram dadas como mortas e desaparecidas. Apesar de encontrar-me num lugar aprazível, e até certo ponto imune a desastres naturais, pus-me a relembrar de uma catástrofe universal ocorrida há milhares de anos, quando a humanidade ainda ensaiava seus primeiros passos como civilização.

De acordo com The Reese Chronological Bible, o Dilúvio aconteceu no ano 2.319 a.C. Embora não estejamos seguros quanto à data, pois há sérias divergências entre os estudiosos sobre a cronologia dos eventos que se deram antes da chamada de Abraão, de uma coisa temos absoluta convicção: o Dilúvio pode ser comprovado tanto histórica quanto cientificamente. Pois há mais provas acerca deste fato do que, por exemplo, da existência de Homero.


Entretanto, o que foi o Dilúvio? Por que Deus deflagrou este formidável cataclismo que destruiu toda uma civilização, dando lugar a uma outra realidade histórica, sociológica, lingüística e política?

I. O QUE FOI O DILÚVIO

Nas línguas clássicas, a palavra dilúvio carrega significados muito parecidos entre si, provando-nos, insofismavelmente, a historicidade da inundação do planeta conforme o relato do Gênesis. Este evento, embora ocorrido há milhares de anos, continua a alertar-nos acerca da santidade e da justiça de um Deus que, conquanto misericordioso e longânimo, não pode tolerar a maldade entre as suas criaturas morais.

1. Definição etimológica. A palavra dilúvio é originária do vocábulo latino diluviu que, entre outras coisas, significa: inundação universal, grande chuva. No hebraico, o termo é representado pela palavra mabbûl. Segundo alguns lingüistas, a palavra denota: destruição, inundação e ciclone. No grego do Novo Testamento, são usados os seguintes termos para descrever o dilúvio que sobreveio à geração de Noé: kataklusmos: grande inundação; kankluzo: inundação extraordinária; plemmura: inundação do mar e do rio; e potamos: rio, torrente.

2. Definição teológica. Irrompido por Deus a fim de punir a apostasia humana, configurou-se o Dilúvio numa inundação universal que destruiu a primeira civilização humana, dando espaço para que surgisse uma sociedade ordeira e temente a Deus.

O relato do Dilúvio acha-se devidamente registrado nos capítulos 6, 7 e 8 de Gênesis.

II. A UNIVERSALIDADE DO DILÚVIO

Afinal, o Dilúvio foi universal? Ou parcial? A descrição que o autor bíblico faz do cataclismo leva-nos a concluir: o Dilúvio foi, de fato, um acontecimento que abrangeu totalmente a terra. Vejamos por que é racional e lógico acreditar em sua universalidade:

• Além da chuva ininterrupta de quarenta dias e quarenta noites, relata a Bíblia que as fontes do grande abismo romperam-se, aumentando desmedidamente a inundação (Gn 7.11).

• Registra o autor sagrado que as águas prevaleceram excessivamente sobre a terra até que os seus pontos mais elevados fossem de todo cobertos (Gn 7.19,20).

• As águas eram tantas que prevaleceram sobre a terra por 150 dias. Terminado este período, entretanto, Noé e sua família foram obrigados a permanecer na arca por mais 200 dias aproximadamente, até que o planeta estivesse completamente seco (Gn 7.24; 8.1-6).

Logo, foi o Dilúvio um cataclismo universal, cuja historicidade é referendada por evidências bíblicas e científicas.

III. EVIDÊNCIAS BÍBLICAS DILÚVIO UNIVERSAL

A historicidade do Dilúvio não está limitada ao livro de Gênesis. O autor do livro de Jó, por exemplo, refere-se à grande inundação como algo destrutivo e real (Jó 22.16). Davi, por seu turno, menciona-o como resultado da soberania divina (Sl 29.10). Tendo este como figura de grandes tragédias, Isaías a ele se reporta como advertência aos ímpios (Is 30.30).
Se estes testemunhos são insuficientes, busquemos o depoimento do Cristo: “Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem” (Mt 24.38.39).

Pedro também aludiu ao Dilúvio ao realçar a justiça divina: “Porque Deus não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, pregoeiro da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios” (2 Pe 2.4,5).

Se não aceitarmos como verdadeiras tais evidências, seremos obrigados a tê-las como mentirosas. Aliás, seremos forçados a rejeitar, inclusive, o testemunho do Filho de Deus.

IV. EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS E HISTÓRICAS SOBRE O DILÚVIO

Não são poucas as evidências antropológicas, históricas e científicas, que atestam a realidade do Dilúvio. Examinando-as, os que optam pelo bom senso logo concluem pela historicidade da inundação universal de conformidade com o relato bíblico.

1. Evidências arqueológicas. Em 1852, o arqueólogo inglês, George Smith, descobriu entre as ruínas da Babilônia uma série de tijolinhos, gravados em caracteres cuneiformes, com uma narrativa bastante similar a do dilúvio bíblico. Se pesquisarmos detidamente as crenças dos gregos, romanos, eslavos, tupis e guaranis, etc, constataremos: quase todos os povos são capazes de reconstituir, ainda que de forma distorcida, a ocorrência de uma grande inundação, cujo objetivo básico foi punir a rebeldia do homem contra o seu Criador.

Os arqueólogos vêm encontrando, igualmente, cemitérios fósseis nas mais diversas regiões do mundo, indicando a ocorrência de uma repentina catástrofe geológica. A aparência desses animais petrificados é de que eles foram, de fato, sepultados de forma violenta e súbita por uma indescritível inundação.

Acerca do assunto, escreve o arqueólogo F. C. Hibben: “Há evidências de perturbações atmosféricas, de violência sem igual. Tanto mamutes como bisões foram dilacerados e torcidos como que por mãos cósmicas em fúria divina. Os animais foram simplesmente dilacerados e espalhados através da paisagem como se fossem palha e barbante, embora alguns deles pesassem várias toneladas”.

Por conseguinte, os sítios arqueológicos não evidenciam a existência de um parque de dinossauros; evidenciam a ocorrência de um dilúvio que, inesperadamente, acabou com a vida no planeta, com exceção de Noé e de sua família e dos animais que se achavam com ele na arca.

2. Evidências históricas. Há vários relatos de viajores, indicando a presença de um grande barco na região de Ararate, onde pousou a arca de Noé (Gn 8.4). Em 1954, o explorador norte-americano, John Liibi, reportou que, em sua expedição a um dos montes de Ararate, entre a Rússia e a Turquia, ficou a menos de 60 metros da arca. Aliás, em 1917, um piloto russo, ao sobrevoar a região, confirmara a presença de uma descomunal embarcação, exatamente onde John Liibi chegaria algumas décadas depois.

3. Evidências científicas. Alegam os céticos que não haveria água em volume suficiente, na atmosfera, para submergir o planeta. Ignoram eles, porém, que o Dilúvio não foi causado apenas pela chuva torrencial que fustigou a terra por quarenta dias e quarenta noites. Houve, de igual modo, sucessivos e ininterruptos maremotos. Se um único tsumani foi suficiente para alagar o litoral de doze países, o que não terá causado uma longa série desses fenômenos?

Argumentam ainda alguns pseudo-cientistas que seria impossível cobrir altos montes como o Everest, cujo topo ultrapassa os sete mil metros. Todavia, a altitude média do planeta é de apenas 800 metros acima do nível do mar, ao passo que a profundidade média dos oceanos é de quatro mil metros.

Levemos em conta, outrossim, as águas que, originalmente, encontravam-se na chamada expansão aérea (Gn 1.7). Formando um escudo aerotelúrico, essas águas impediam a ação dos raios cósmicos sobre a terra, possibilitando um perfeito sistema ecológico. Sob tal atmosfera, era possível uma qualidade de vida excelente e uma longevidade proverbial como a de Matusalém.

No Dilúvio, porém, foi destruído o escudo aerotelúrico. Toda a água que o formava abateu-se sobre a terra, aumentando consideravelmente a área ocupada pelos oceanos. Aliás, o que os cientistas chamam de período glacial do planeta foi, na verdade, uma inundação global acompanhada de um resfriamento da terra.

CONCLUSÃO

Outros argumentos poderiam ser apresentados sobre a historicidade do dilúvio universal registrado em Gênesis. Creio, porém, que as evidências já mostradas são mais que suficientes para levar os incrédulos a uma reflexão quanto à justiça divina. Pois os dias de hoje em nada diferem daqueles que antecederam ao Dilúvio conforme adverte o Senhor Jesus:

“Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem” (Mt 24.38,39).

Autor: Pr Claudionor de Andrade
Fonte: estudosgospel.com.br

2 comentários:

  1. Mano cada argumentos bosta kkkkk A prova que algo escrito na Bíblia é real é outra parte dela mesma pqp kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Como que coube todas as espécies na arca?

    ResponderExcluir

Tags

10 Mandamentos 1Coríntios 1Reis 1Samuel 1Tessalonicenses 1Timóteo 2Coríntios 2Reis 666 Aborto Abraão Adão Adultério Adventismo Alá Albert Einstein Aleluia Allan Kardec Alma Amalequitas Ameaça Amizade Amor Aniversário Anjos Anti Cristo Antigo Testamento Apocalipse Apócrifos Apologética Apóstolos Arca de Noé Arminianismo Arqueologia Arrebatamento Arrependimento Árvore da Vida Ateismo Baruque Bate-Seba Batismo Besta Bíblia Big Bang Bizarro Blasfêmia Bode Bode Expiatório Bondade Bruxas Budismo Caim Calvinismo Candomblé Cântico dos Cânticos Caridade Carma Carnaval Carne Casamento Catolicismo Cavaleiros do Apocalipse Celebridades Céu Ciência Cientologia Cinema Circuncisão Ciúmes Classe Social Coliseu Colossenses Condenação Confissão Positiva Confucionismo Conhecimento Conhecimento Histórico Coração Cordeiro Corpo Corpus Christi Cosme e Damião Cotidiano Crenças Crentes Criacionismo Crianças Criminosos Cristão Cristianismo Crucificação Cruz Culpa Cura Curiosidades Daniel Darwin Davi Decepção Demônios Desenhos Deus Deuteronômio Devocional Diabo Dificuldades Bíblicas Dilma Rousseff Dilúvio Dinossauros Disney Dízimos e Ofertas Dons Espirituais Doutrinas Dúvidas Eclesiastes Éfeso EG White Egito Elanã Eliseu Erros Esperança Espiritismo Espírito Santo Esportes Estudos Bíblicos Evangelho Evangelho de João Evangelho de Lucas Evangelho de Marcos Evangelho de Mateus Evangelismo Evolucionismo Êxodo Ezequiel Facebook Falsos profetas Famosos Fanatismo Fantasmas Faraó Farsas Fatos Filantropia Filmes Filosofia Fim dos Tempos Física Fome Força Fraqueza Gaio Gálatas Ganância Gênesis Gideão Glória Golias Graça Hamas Hebreus Heresias Heróis Homem Homossexualismo Humilhação Igreja Igreja Evangélica Imagens Incenso Infantil Infarto Inferno Inquisição Interessante Internet Invocação Isaías Islamismo Israel Jardim do Éden Jeremias Jesus Cristo Jezabel João Batista João Calvino Jogos John Piper Jonas Josué Jovem Rico Jovens Judá Judaísmo Judas Judas Iscariotes Ladrão Laodicéia Leão Lei Leitura Levítico Liberdade Línguas Estranhas Listas Livro de Jó Livros da Bíblia Lua Lúcifer Lucro Lutero Mal Malaquias Maldade Maldição Maldições Hereditárias Manassés Maomé Marca Marca da Besta Marco Feliciano Maria Médium Melquisedeque Mentira Microcefalia Milagres Mirra Mitos Moisés Mormonismo Morte Motivacional Muçulmanos Mulheres Múmias Musica Namoro Natal Nefilins Neopentecostal Nero Noé Noticias Novela Novo Testamento Números Obelisco Ocultismo Ódio Oração Oráculos Orgulho Orixás Oséias Ouro Ovelhas Paganismo Pai Papa Para Refletir Parábolas Páscoa Paulo de Tarso Paz Pecado Pedofilia Pedro Pentateuco Perseguição Pobreza Polêmica Política Poltergeist Possessão Demoníaca Predestinação Preguiça Profecia Profetas Provações Psicologia Purgatório Raabe Raul Seixas Rede Globo Redes Sociais Reforma Protestante Reis Religião Ressurreição Revolução Riqueza Rocha Roma Rosa de Saron Sábado Salmos Salomão Salvação Samaritanos Sangue Santos São Jorge Satanás Satanismo Saúde Saul SBT Segunda Vinda Seio de Abraão Seitas Semana Santa Senaqueribe Sentimento Sete Espíritos Sexualidade Sinais Síndrome Sinistro Síria Sobrenatural Socialismo Sol Sonhos Stephen Hawking Subliminar Sugestões Suicídio Taoismo Televisão Templo de Salomão Teologia Teologia da Prosperidade Terra Terra Prometida Testemunhas de Jeová Textos Transformação Trindade Trono Tutancâmon Twitter UFO Universalismo Universo Verdade Vida Vídeos Violência Youtube Zacarias