Jó foi uma pessoa real, e não um mito como querem alguns, uma vez que é citado em Ezequiel 14:20 e Tiago 5:11. Viveu na terra de Uz, que segundo a maioria dos comentaristas bíblicos, seria uma região provavelmente localizada ao noroeste de Israel entre a cidade de Damasco e o Rio Eufrates. Melhor ficar com a localização dada pelo Profeta Jeremias que situa a Terra de Uz como sendo Edom, herança dos descendentes de Esaú: “Regozija-te e alegra-te, ó filha de Edom, que habitas na terra de Uz” (Lm 4:21)

Jó faz parte dos chamados livros poéticos da Bíblia, e assim, como é próprio da alegoria poética, a narrativa explora em mínimos detalhes e à exaustão as convicções dos personagens nela retratados.
Quanto à cronologia de Jó, só podemos especular sobre o assunto, uma vez que há poucos indícios que favoreçam o reconhecimento de sua época. O livro menciona o Egito, o papiro, a quesita como dinheiro, etc. Jó 42:11 bem como Josué 24:32 fazem menção à quesita, um lingote de prata utilizado como dinheiro, o que poderia vincular o tempo de Jó a um período certamente anterior a Josué. A maioria das traduções para “quesita” se referem genericamente a “dinheiro”. Para certificar-se da tradução correta veja as referidas passagens na Concordância de Strong. Mas estes elementos não são em si suficientes para identificar seu tempo.

Um dado que poderia nos orientar quanto à data de sua existência se refere à duração de sua vida, supostamente 210 anos, conforme veremos adiante.

Se de fato Jó viveu 210 anos, poderíamos situá-lo próximo à geração de Tera, pai de Abraão. Dados que podem nos sugerir esta hipótese podem ser consultados no capítulo que trata sobre a duração das vidas dos homens antes e depois do dilúvio. Conforme analisamos neste capítulo, há, a partir do dilúvio, um decréscimo progressivo na duração da vida, de maneira que se pode estimar que nos dias de Tera, o tempo médio de vida seria de pouco mais que 200 anos.
Neste caso, Jó teria sido por bom tempo contemporâneo de Eber, Pelegue, Reú, Serugue, Naor, Tera, e do próprio Noé, através de quem poderia ter se instruído sobre Deus.

Os livros apócrifos não mencionam Jó, embora citem homônimos.

Várias teorias dissertam sobre sua vida, e naturalmente todas têm pontos fortes e fracos quanto sua validade, mas entre elas destacamos uma, da tradição judaica, por entender que se não é a expressão da verdade, tem seu valor como simbolismo didático.

A Seder Olam Rabbah, conforme vimos, interpreta as datas bíblicas desde a criação do homem até o período persa. Relatamos abaixo, seu capítulo de número 3 intitulado “Pacto e Escravidão” com o intuito tanto de mostrar seu estilo literário, quanto mostrar uma interessante analogia entre o tempo de Israel no Egito e a vida de Jó. Diz o seguinte:
“Foi dito ao nosso pai Abraão (Gn 15:13) no Pacto entre as Partes: Deves certamente saber que tua semente será estranha em terra estrangeira por quatrocentos anos. Quem é a semente? É Isaque (Gn 21:12), de quem é dito: Porque Isaque será chamado tua semente.

Sobre Isaque (Gn 25:26) é dito: Isaque tinha sessenta anos quando eles nasceram (Jacó e Esaú). Nosso patriarca Jacó (Gn 47:9) disse a Faraó: Os dias dos anos de minha caminhada são cento e trinta anos.

Fazem juntos 190 anos, e deixam 210 anos, um sinal do tempo de duração da vida de Jó (Jó 42:16), que foi nascido naquele tempo, conforme dito: Jó viveu depois disto 140 anos (Jó: 42:10) e é dito: O Eterno deu a Jó o dobro de tudo que Jó possuía. Isto significa que Jó nasceu quando Israel desceu ao Egito e morreu quando sairam.”

Quanto aos anos, o cálculo seria este: se Deus dobrou tudo quanto Jó tinha, dobrou também seu tempo de vida, e se Jó viveu depois de seu sofrimento 140 anos, logo se conclui que teria 70 anos na ocasião, totalizando, desta forma, 210 anos a sua idade ao falecer. Assim interpretam tanto a Seder Olam quanto o Talmude.

Note-se que há fundamento bíblico para tal afirmação. Gn 46, no contexto que nomeia todos os familiares de Jacó que desceram ao Egito relaciona um certo Jó, nos seguintes termos: “E os filhos de Issacar: Tola, Puva, Jó e Sinrom.” (Gn 46:13).

Grande parte das datas aceitas pelo Talmude, tanto o babilônico, quanto o de Jerusalém, são extraídas da Seder Olam, e tanto em uma quanto outra fonte se encontram comentários de diversos rabis sobre um ou outro ponto de discussão sobre Jó.

Um rabi pode contestar outro e dar um ponto de vista diferente sobre o assunto, sem que isto invalide uma opinião divergente, devendo todas as interpretações ser acatadas dentro de um espírito de liberdade de expressão. Um exemplo disto é uma afirmativa do Rabi Yose Bar Halaphta, que interpreta que o sofrimento de Jó teria durado não mais que um ano, e que este tempo seria como uma espécie de bode espiatório para distrair Satanás do plano de Deus de tirar Israel do Egito.

Tal interpretação é contestada por vários rabinos, com o argumento de que Satanás estaria de qualquer forma livre por 209 anos para se dedicar ao assunto. Seria mais válida a afirmativa, caso o ano de sofrimento de Jó fosse de alguma forma coincidente com o ano das pragas trazidas por Moisés ao Egito, mas de fato, se acatadas estas datas, o sofrimento de Jó seria coincidente com um tempo em que José estaria ainda vivo, muito tempo antes das pragas.

De qualquer maneira, a duração da vida de Jó, 210 anos, é um excelente ponto de referência para que se lembre que entre a ida de Israel para o Egito e o Êxodo, duzentos e dez anos se passaram, não quatrocentos.

O Talmude, embora não mencione os 210 anos literalmente, concorda com o cálculo. Há porém, que tanto o Talmude Babilônico, quanto o de Jerusalém reputam Jó como ficção literária.
Ezequiel entende Jó como personagem real, de acordo com Ez 14:12-14: “Veio ainda a mim a palavra do Senhor, dizendo: Filho do homem, quando uma terra pecar contra mim, se rebelando gravemente, então estenderei a minha mão contra ela, e lhe quebrarei o sustento do pão, e enviarei contra ela fome, e cortarei dela homens e animais. Ainda que estivessem no meio dela estes três homens, Noé, Daniel e Jó, eles pela sua justiça livrariam apenas as suas almas, diz o Senhor DEUS.”
Jó é também citado por Tiago que o entende como personagem real e não ficção literária: “Eis que temos por bem-aventurados os que sofreram. Ouvistes qual foi a paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso.” (Tg 5:11)”

Seria Jó o primeiro livro escrito da Bíblia?

É aceito, tanto pelo Talmude, como pela maioria dos rabinos, como também pela maioria dos teólogos cristãos que Jó seja o primeiro livro escrito da Bíblia.

Jó teria vivido num tempo que coincide com a era dos patriarcas, possivelmente próximo à geração de Abraão. A suposta idade de Jó ao falecer coincide com as idades médias da geração de Tera, pai de Abraão.
Duas passagens de Jó, a saber, Jó 1:5 e Jó 42:8 mostram um costume do tempo dos patriarcas, qual seja, oferecer sacrifícios a Deus. Também naquele tempo os chefes de família recebiam instruções de Deus, conforme ocorre em Jó 38:1 e capítulos seguintes.

Um dos maiores indícios para se afirmar a primazia de Jó é o fato de Jó ser anterior a Lei de Moisés, uma vez que todos os diálogos protagonizados por seus amigos apontam para algum suposto pecado cometido contra Deus, sem no entanto referir a qualquer lei ou mandamento de Moisés.

Não há no livro nenhuma referência a Abraão, Israel, Moisés, juízes, reis ou profetas de Israel, nem tampouco a Lei é mencionada.

Não há indícios de que a idolatria houvesse se espalhado, o que se verifica nas referência ao Deus da Criação. (Jó 27:3 e 33:4-6)

O livro mostra qual seria o panorama histórico de Jó, o conhecimento de fatos de gerações passadas, atendo-se exclusivamente a acontecimentos anteriores a Abraão, como por exemplo faz referências a fatos próximos à criação em Jó 9:-8-9; Jó 12:7-10, Jó 26:13 e Jó 38:4. Refere-se ainda insistentemente à queda do homem conforme: Jó 31:33; Jó 31:40; Jó 34:14-15. Refere-se ao dilúvio em Jó 12: 14-15 e Jó 22:15-17. Refere-se ao pacto de Noé com Deus em Jó 26:10 e Jó 38:8-11. São todas evidências de que Jó viveu neste tempo, desconhecendo a história futura.

Quanto à geografia, Jó se refere às nações antigas tais como os caldeus em Jó 1:17, Cush ou Etiópia, em Jó 28:19, Ofir em Jó 28:16, Sabeus em Jó 1:15, Sabá em Jó 6:19 e Uz, em Jó 1:1. Não se refere a povos que surgirão mais adiante na história, como filisteus, cananeus, etc.

Pessoas mencionadas no livro possuem nomes contemporâneos a Abraão, como por exemplo Tema, citado em Jó 6:19, que conforme Gênesis 25:15, era filho de Ismael.

Um dos amigos de Jó, Elifaz, era temanita, descendente de Teman, filho de Esaú, conforme se lê em Gênesis 36:15.

Bildade, o outro amigo, era suíta, descendente, portanto, de Abraão e Quetura, conforme Gênesis 25:2.

Jó 32:2 menciona Baraquel, o buzita, que conforme Gênesis 22:21 seria sobrinho de Abraão.
Veja que para quem aceita que Gênesis tenha sido escrito anteriormente a Jó, que Jó não faz nenhuma menção a Gênesis e

Gênesis faz várias a Jó.

Seria, desta forma, razoável datar Jó em cerca de 2.000 AC, enquanto Moisés só nasceria 500 anos depois.


Fonte: https://cronologiadabiblia.wordpress.com/2010/12/29/o-livro-de-jo/

0 comentários:

Postar um comentário

Tags

10 Mandamentos 1Coríntios 1Reis 1Samuel 1Tessalonicenses 1Timóteo 2Coríntios 2Reis 666 Aborto Abraão Adão Adultério Adventismo Alá Albert Einstein Aleluia Allan Kardec Alma Amalequitas Ameaça Amizade Amor Aniversário Anjos Anti Cristo Antigo Testamento Apocalipse Apócrifos Apologética Apóstolos Arca de Noé Arminianismo Arqueologia Arrebatamento Arrependimento Árvore da Vida Ateismo Baruque Bate-Seba Batismo Besta Bíblia Big Bang Bizarro Blasfêmia Bode Bode Expiatório Bondade Bruxas Budismo Caim Calvinismo Candomblé Cântico dos Cânticos Caridade Carma Carnaval Carne Casamento Catolicismo Cavaleiros do Apocalipse Celebridades Céu Ciência Cientologia Cinema Circuncisão Ciúmes Classe Social Coliseu Colossenses Condenação Confissão Positiva Confucionismo Conhecimento Conhecimento Histórico Coração Cordeiro Corpo Corpus Christi Cosme e Damião Cotidiano Crenças Crentes Criacionismo Crianças Criminosos Cristão Cristianismo Crucificação Cruz Culpa Cura Curiosidades Daniel Darwin Davi Decepção Demônios Desenhos Deus Deuteronômio Devocional Diabo Dificuldades Bíblicas Dilma Rousseff Dilúvio Dinossauros Disney Dízimos e Ofertas Dons Espirituais Doutrinas Dúvidas Eclesiastes Éfeso EG White Egito Elanã Eliseu Erros Esperança Espiritismo Espírito Santo Esportes Estudos Bíblicos Evangelho Evangelho de João Evangelho de Lucas Evangelho de Marcos Evangelho de Mateus Evangelismo Evolucionismo Êxodo Ezequiel Facebook Falsos profetas Famosos Fanatismo Fantasmas Faraó Farsas Fatos Filantropia Filmes Filosofia Fim dos Tempos Física Fome Força Fraqueza Gaio Gálatas Ganância Gênesis Gideão Glória Golias Graça Hamas Hebreus Heresias Heróis Homem Homossexualismo Humilhação Igreja Igreja Evangélica Imagens Incenso Infantil Infarto Inferno Inquisição Interessante Internet Invocação Isaías Islamismo Israel Jardim do Éden Jeremias Jesus Cristo Jezabel João Batista João Calvino Jogos John Piper Jonas Josué Jovem Rico Jovens Judá Judaísmo Judas Judas Iscariotes Ladrão Laodicéia Leão Lei Leitura Levítico Liberdade Línguas Estranhas Listas Livro de Jó Livros da Bíblia Lua Lúcifer Lucro Lutero Mal Malaquias Maldade Maldição Maldições Hereditárias Manassés Maomé Marca Marca da Besta Marco Feliciano Maria Médium Melquisedeque Mentira Microcefalia Milagres Mirra Mitos Moisés Mormonismo Morte Motivacional Muçulmanos Mulheres Múmias Musica Namoro Natal Nefilins Neopentecostal Nero Noé Noticias Novela Novo Testamento Números Obelisco Ocultismo Ódio Oração Oráculos Orgulho Orixás Oséias Ouro Ovelhas Paganismo Pai Papa Para Refletir Parábolas Páscoa Paulo de Tarso Paz Pecado Pedofilia Pedro Pentateuco Perseguição Pobreza Polêmica Política Poltergeist Possessão Demoníaca Predestinação Preguiça Profecia Profetas Provações Psicologia Purgatório Raabe Raul Seixas Rede Globo Redes Sociais Reforma Protestante Reis Religião Ressurreição Revolução Riqueza Rocha Roma Rosa de Saron Sábado Salmos Salomão Salvação Samaritanos Sangue Santos São Jorge Satanás Satanismo Saúde Saul SBT Segunda Vinda Seio de Abraão Seitas Semana Santa Senaqueribe Sentimento Sete Espíritos Sexualidade Sinais Síndrome Sinistro Síria Sobrenatural Socialismo Sol Sonhos Stephen Hawking Subliminar Sugestões Suicídio Taoismo Televisão Templo de Salomão Teologia Teologia da Prosperidade Terra Terra Prometida Testemunhas de Jeová Textos Transformação Trindade Trono Tutancâmon Twitter UFO Universalismo Universo Verdade Vida Vídeos Violência Youtube Zacarias