Introdução

O Brasil é um país com grande reduto espírita, e com crescimento a cada nova pesquisa. Como definição geral, espiritismo é uma doutrina baseada na crença da sobrevivência da alma e da existência de comunicação, por meio de mediunidade, entre vivos e mortos, entre os espíritos encarnados e desencarnados no processo de evolução.

O ensino dos espíritas contradiz o que dizem as Escrituras. Nós não passamos por um processo de evolução para que nos tornemos “perfeitos”. A Bíblia fala sobre a graça de Deus e a fé como instrumentos, dados pelo Pai, para a nossa salvação. Vamos ver um pouco mais sobre os espíritas e depois verificar o ensino bíblico que contradiz a evolução por méritos.

I. O Espiritismo

Para Allan Kardec um “espírita” é todo aquele que acredita nas manifestações dos espíritos e, por isso, esse número é bem extenso. Há muitos grupos que aceitam essa prática. Podemos ver alguns: Legião da Boa Vontade (LBV), Associação Mística Ordem Rosa Cruz (AMORC), Candomblé, Umbanda, Quimbanda, Cultura Racional (CR), Racionalismo Cristão (RC), Círculo Esotérico, Vodu; entre outros.

O espiritismo foi difundido por Léon Hippolyte Rivail, nascido em Lião, na França, em 1804, assumindo o pseudônimo de Allan Kardec, por pensar que fosse a reencarnação de um poeta celta com esse nome. Afirmava a necessidade de pregar uma nova religião, o que começou a fazer em 1856. Hippolyte declarou que o Espírito Verdade deu a ele autorização para se chamar Allan Kardec. Teria sido um nome que ele – Hippolyte – teve em uma encarnação anterior, quando foi um poeta celta na antiga Gália, mesma época em que viveram os lendários druidas (século 2º a.C.). A partir daí ele começou a lançar os livros que contêm toda a doutrina do espiritismo kardecista. Publicou O Livro dos Espíritos, Livro dos Médiuns, O Evangelho segundo o espiritismo, Céu e inferno, A gênese, O que é o espiritismo, A prece segundo o evangelho, e Obras póstumas. Allan Kardec, ou Léon Hippolyte Rivail, morreu em 31 de março de 1869, vitimado por um aneurisma cerebral.

O principal conceito do espiritismo é o da reencarnação, que é praticamente um processo pelo qual os seres humanos teriam de passar para, a cada nova vida, por meio de boas obras, méritos, serem aperfeiçoados. É com facilidade que se veem livros espíritas circulando por aí, assim como seus ensinos serem temas de filmes e novelas na TV. Contra isso temos de expressar a verdade que a Bíblia ensina.

II. Não por méritos, mas pela graça

A Palavra de Deus nos ensina que o único meio de salvação é a ação da graça salvadora de Deus em favor do ser humano. A carta aos Efésios, ensina que o propósito de Deus na salvação do pecador é o louvor de sua glória (Ef 1.12,14). Deus alcança este propósito ao oferecer a salvação graciosamente àqueles que, por si mesmos, não têm nenhum direito a ela. Todos os seres humanos estão em um estado caído e estão afastados de Deus por causa de seu próprio pecado (Rm 3.23). O homem é totalmente incapaz de obter sua própria salvação. Deus, então, movido somente por sua graça soberana, providenciou a salvação para o ser humano em Cristo.

Todos estão na condição de pecadores e merecem a mesma retribuição de Deus, ou seja, a morte, que é o salário do pecado (Rm 6.23). Se o Senhor nos tratasse de acordo com nossos méritos e justiça, não haveria salvação, pois o que merecemos é a morte.

Nosso único meio de salvação é a graça de Deus, um tratamento que não merecemos, que não é segundo nossos méritos, mas segundo a ação bondosa e graciosa de Deus. A obra da salvação é maravilhosa exatamente porque Deus “não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui consoante as nossas iniquidades” (Sl 103.10), mas segundo as riquezas da sua graça (Ef 1.7). Essa é a grande mensagem do evangelho.

Nenhum ser humano tem direito à salvação, mas Deus, movido somente por sua graça soberana, não permite que todos eles recebam a justa retribuição pelo seu pecado. Para isso,ele providenciou um meio para que sua graça salvadora pudesse ser oferecida sem, contudo, deixar de cumprir totalmente sua justiça. Esse meio foi o envio de seu próprio Filho, que não tinha pecado, mas tomou sobre si os pecados de seu povo (Mt 1.21) e morreu por eles. Desse modo se cumpriu cabalmente a justiça de Deus.

Graça significa o livre e imerecido amor de Deus expresso em favor do pecador digno de condenação. Sendo assim, quando a Bíblia diz que o Senhor nos trata segundo as riquezas da sua graça, ela está afirmando que, na salvação, Deus não nos trata segundo nossos méritos. Em Romanos lemos: “Também agora, no tempo de hoje, sobrevive um remanescente segundo a eleição da graça. E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça” (Rm 11.5-6). Onde há merecimento não pode haver graciosidade (Rm 4.4-5).

O caráter gracioso de Deus na salvação é muito destacado em sua Palavra (Is 53.4-5,11-12; 2Co 5.21; 1Pe 2.24; 3.18), em detrimento da justiça humana: “Todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniquidades, como um vento, nos arrebatam” (Is 64.6). É por meio da graça que pecadores se fartarão daquilo que é concedido a eles graciosamente, sem custo nem mérito. É a salvação pela graça. “Ah! Todos vós, que tendes sede, vinde às águas, e vós, os que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite” (Is 55.1).

Até mesmo o ato de crer não pode ser visto como uma obra do homem a favor de sua própria salvação. Isso porque até mesmo a fé é apresentada na Bíblia como um dom de Deus (Ef 2.8-9). É verdade que é o homem que precisa exercer a fé, mas essa fé é concedida pelo próprio Deus, e ele faz isso segundo as riquezas da sua graça. Na salvação, o que Deus enxerga no pecador é a obra de Cristo realizada em favor dele e apropriada pela fé, que é concedida pelo próprio Deus.

Quem pagou por nossa salvação foi o próprio Senhor Jesus, com seu sangue, de modo que a salvação é gratuita para nós, mas, para Cristo, teve um preço altíssimo. Como o meio de salvação foi providenciado pelo Pai, o preço da salvação foi pago pelo Filho e a aplicação da salvação ao coração do pecador é feita pela ação do Espírito, é perfeitamente natural que, em sua soberania, Deus determine quando, como e a quem a salvação deve ser dada.

O coração do pecador é transformado por Deus, que causa a purificação de sua natureza, fazendo com que o redimido passe a amar a justiça de Deus e creia em Cristo para sua salvação. Antes da ação da graça na natureza humana, o elemento natural do pecador era o pecado. Depois da ação da graça, sua busca passa a ser a santidade. A graça transforma a vida do pecador e cria nele uma semente de santificação, que deve ser cultivada pelos meios de graça oferecidos por Deus.

III. Pela graça por meio da fé

A fé é um elemento essencial da conversão. A salvação é impossível sem ela. Como diz a carta aos Hebreus: “Sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hb 1.6).

Apesar de não aparecer como um nome no Antigo Testamento, a fé, porém, é vista frequentemente. Desde o princípio, a salvação apareceu como uma promessa que só podia ser aceita pela fé. Essa fé assumiu a forma de uma aliança que se baseia no amor de Deus e requer aceitação voluntária dos seres humanos. Isso só pode ser feito por meio da fé (Gn 3.15; 6.22; 7.5; 8.22; 12.4; 15.6; 17.21ss.; 22.2; Êx 20.2; Dt 7.8; 14.1). A relação religiosa dos seres humanos com Deus é geralmente expressa por outras palavras, como temor, serviço, amor, dedicação, confiança em Deus, propensão a ele, esperança nele e assim por diante.

A fé é o meio pelo qual somos salvos e a maneira pela qual nossa esperança é assegurada (Hb 11.1). Até a volta de Cristo, somos guardados pelo poder de Deus, mediante a fé (1Pe 1.5). O nome usado por Lucas para descrever os cristãos no livro de Atos aponta para a importância da fé: “crentes” (At 2.44). Os cristãos são aqueles que têm fé em Cristo.

A fé é a convicção de que o Deus Todo-Poderoso existe, de que ele é o Criador, mantenedor de todas as coisas, e o provedor da salvação em Cristo. Ela também é a convicção de que Jesus Cristo é o Messias, por meio de quem obtemos a salvação. Porém a palavra “fé” também pode se referir ao conteúdo daquilo que é crido. Ela tem esse sentido em Judas 3: “Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos.”

Portanto, a fé é o meio pelo qual somos salvos. Isso está muito longe do conceito de méritos do espiritismo. A salvação não acontece mediante nossas obras.

Conclusão

Espiritismo e cristianismo são como água e óleo. Não se coadunam. Não podem ocupar o mesmo espaço. Não há a possibilidade de ser espírita e cristão ao mesmo tempo. O espiritismo tem aparência de verdade, mas não resiste ao teste da Bíblia.

Devemos confiar no sangue remidor de Cristo, a crer em reencarnação. Ao crermos na graça de Deus, em Jesus Cristo, somos transformados. Por meio da fé, dada pelo Senhor, recebemos nova vida e somos purificados de todo pecado.

Aplicação

Você acredita que a caridade pode trazer salvação? O espiritismo acredita que sim. Mas a Bíblia ensina claramente que não. Que textos bíblicos você poderia usar para rebater essa heresia do espiritismo? Quando você cultua a Deus, procura demonstrar gratidão pela maravilhosa salvação concedida por ele?

Estudo publicado originalmente pela Editora Cultura Cristã, na série Expressão, 2013.
Fonte: http://ultimato.com.br/

0 comentários:

Postar um comentário

Tags

10 Mandamentos 1Coríntios 1Reis 1Samuel 1Tessalonicenses 1Timóteo 2Coríntios 2Reis 666 Aborto Abraão Adão Adultério Adventismo Alá Albert Einstein Aleluia Allan Kardec Alma Amalequitas Ameaça Amizade Amor Aniversário Anjos Anti Cristo Antigo Testamento Apocalipse Apócrifos Apologética Apóstolos Arca de Noé Arminianismo Arqueologia Arrebatamento Arrependimento Árvore da Vida Ateismo Baruque Bate-Seba Batismo Besta Bíblia Big Bang Bizarro Blasfêmia Bode Bode Expiatório Bondade Bruxas Budismo Caim Calvinismo Candomblé Cântico dos Cânticos Caridade Carma Carnaval Carne Casamento Catolicismo Cavaleiros do Apocalipse Celebridades Céu Ciência Cientologia Cinema Circuncisão Ciúmes Classe Social Coliseu Colossenses Condenação Confissão Positiva Confucionismo Conhecimento Conhecimento Histórico Coração Cordeiro Corpo Corpus Christi Cosme e Damião Cotidiano Crenças Crentes Criacionismo Crianças Criminosos Cristão Cristianismo Crucificação Cruz Culpa Cura Curiosidades Daniel Darwin Davi Decepção Demônios Desenhos Deus Deuteronômio Devocional Diabo Dificuldades Bíblicas Dilma Rousseff Dilúvio Dinossauros Disney Dízimos e Ofertas Dons Espirituais Doutrinas Dúvidas Eclesiastes Éfeso EG White Egito Elanã Eliseu Erros Esperança Espiritismo Espírito Santo Esportes Estudos Bíblicos Evangelho Evangelho de João Evangelho de Lucas Evangelho de Marcos Evangelho de Mateus Evangelismo Evolucionismo Êxodo Ezequiel Facebook Falsos profetas Famosos Fanatismo Fantasmas Faraó Farsas Fatos Filantropia Filmes Filosofia Fim dos Tempos Física Fome Força Fraqueza Gaio Gálatas Ganância Gênesis Gideão Glória Golias Graça Hamas Hebreus Heresias Heróis Homem Homossexualismo Humilhação Igreja Igreja Evangélica Imagens Incenso Infantil Infarto Inferno Inquisição Interessante Internet Invocação Isaías Islamismo Israel Jardim do Éden Jeremias Jesus Cristo Jezabel João Batista João Calvino Jogos John Piper Jonas Josué Jovem Rico Jovens Judá Judaísmo Judas Judas Iscariotes Ladrão Laodicéia Leão Lei Leitura Levítico Liberdade Línguas Estranhas Listas Livro de Jó Livros da Bíblia Lua Lúcifer Lucro Lutero Mal Malaquias Maldade Maldição Maldições Hereditárias Manassés Maomé Marca Marca da Besta Marco Feliciano Maria Médium Melquisedeque Mentira Microcefalia Mirra Mitos Moisés Mormonismo Morte Motivacional Muçulmanos Mulheres Múmias Musica Namoro Natal Nefilins Neopentecostal Nero Noé Noticias Novela Novo Testamento Números Obelisco Ocultismo Ódio Oração Oráculos Orgulho Orixás Oséias Ouro Ovelhas Paganismo Pai Papa Para Refletir Parábolas Páscoa Paulo de Tarso Paz Pecado Pedofilia Pedro Pentateuco Perseguição Pobreza Polêmica Política Poltergeist Possessão Demoníaca Predestinação Preguiça Profecia Profetas Provações Psicologia Purgatório Raabe Raul Seixas Rede Globo Redes Sociais Reforma Protestante Reis Religião Ressurreição Revolução Riqueza Rocha Roma Rosa de Saron Sábado Salmos Salomão Salvação Samaritanos Sangue Santos São Jorge Satanás Satanismo Saul SBT Segunda Vinda Seio de Abraão Seitas Semana Santa Senaqueribe Sentimento Sete Espíritos Sexualidade Sinais Síndrome Sinistro Síria Sobrenatural Socialismo Sol Sonhos Stephen Hawking Subliminar Sugestões Suicídio Taoismo Televisão Templo de Salomão Teologia Teologia da Prosperidade Terra Terra Prometida Testemunhas de Jeová Textos Transformação Trindade Trono Tutancâmon Twitter UFO Universalismo Universo Verdade Vida Vídeos Violência Youtube Zacarias