“E desde os dias de João, o Batista, até agora, o reino dos céus é tomado a força, e os violentos o tomam de assalto”. (Mt. 11:12, ARA)†

Sobre que tipo de violência e força lemos aqui? Isso significa que um crente deveria fazer algum esforço para entrar no reino de Deus? E como isso se ajusta com a salvação pela fé somente, através da graça somente?

A figura que Jesus usa no texto citado acima é muito poderosa. Ele está falando nesse discurso de João o Batista, seu precursor. João ocupou um lugar único na nobre companhia dos profetas. Ele foi o último dos profetas do Antigo Testamento e situou-se nos dois testamentos. Ele estava, por assim dizer, com um pé na antiga dispensação e outro na nova. Esse lugar único de João é a razão do Senhor dizer que João foi o maior de todos os profetas, sendo todavia o menor no reino dos céus maior do que ele (v. 11). Essa declaração lhe dará certa idéia da vasta diferença que aconteceu entre os dois testamentos quando o Espírito do Cristo assunto [ao céu] foi derramado em Pentecoste.

A despeito do fato de João situar-se nas duas dispensações, ele morreu na antiga dispensação e não viu o amanhecer do novo dia começar em Pentecoste. Assim, seu status na revelação histórica do propósito de Deus é inferior àquele do “menor no reino dos céus”.

Talvez para entender este lugar único que João ocupou, possamos usar a figura do reino dos céus como um palácio magnificente. Na antiga dispensação os santos podiam ver a porta para o palácio, mas não podiam passar por ela. Ela estava fechada porque Cristo, que é a “porta” (João 10:9), não tinha vindo ainda.

Contudo, nessa porta havia muitas figuras belas do reino. Essas figuras eram os tipos da antiga dispensação: os sacrifícios, o dilúvio, a libertação do Egito, a herança de Canaã, etc. Elas eram belas figuras, e os santos do Antigo Testamento podiam aprender um pouco sobre o outro lado da porta olhando para as figuras. Mas não podiam entrar!
Agora pense em João como aquele que está na frente da porta. Ao realizar o seu ministério quando apontou para Cristo como “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1:29, 36), João, por assim dizer, abriu a fenda da porta. Isso capacitou os santos no que ainda era o Antigo Testamento a ver um pouco do que estava por detrás da porta. Quando viram o que estava detrás da porta, eles ficaram tão impressionados, tão estimulados, tão excitados, que, podemos dizer, atacaram a porta em sua ansiedade para entrar. Eles não podiam esperar. Tomaram o reino por violência e força. Eles não voltariam atrás.

Essa, repito, é uma figura poderosa da atração que o reino dos céus tem para os crentes. Considere que o grande fardo dos santos do Antigo Testamento era o seu pecado (cf. Mt. 11:28). Aqueles cansados e sobrecarregados são os que tinham tentado encontrar perdão do pecado e salvação nas obras da lei, mas que encontraram somente futilidade em todo o seu labor, e para quem a lei se tornou um fardo impossível de suportar. Quão pungente então as palavras do nosso Senhor: “Vinde a mim…” (v. 28). No reino havia completo perdão e o esplendor e glória da salvação. Após todos esses anos de sofrimento duro e ansioso, João abriu a fenda da porta quando apontou Cristo como a porta. Os santos não podiam ser detidos. Eles atacaram a porta. Ainda o fazem. Você e eu. Não podemos mais suportar o fardo do pecado. Corremos para Cristo. Ninguém pode nos manter longe. O desejo de todo o nosso coração é ser encontrado nele!

Observe, contudo, que usei consistentemente a palavra “santos” para descrever aqueles que atacam a porta do reino. Essa palavra específica é a chave para a resposta à nossa segunda pergunta: “Isso significa que um crente deveria fazer algum esforço para entrar no reino?”.

Tomada ao pé da letra, a resposta a essa pergunta é: “Sim! Sim, sem dúvida”. Jesus diz isso em muitos lugares. Devemos entrar pela porta estreita. Isso é algo que fazemos. Devemos negar a nós mesmos e tomar a nossa cruz se quisermos ser discípulos de Jesus. Nós fazemos isso. Devemos nos tornar como crianças para entrar no reino. Esse é o nosso chamado e obrigação. Os santos não são e não podem ser antinomianos, que alegam que não precisam nada senão sentar com os braços cruzados em suas cadeiras de balanço, e deixar Deus fazer tudo. Tornamo-nos um povo negligente e profano porque cremos que a salvação é pela graça somente? Não! Que tipo de santo é esse (Rm. 6:1ss.)? Que ninguém diga que a fé Reformada ensina tal coisa!

Somente os santos viram através da fenda na porta e somente eles capturaram um vislumbre das riquezas do outro lado. Somente os santos atacaram (e ainda atacam) a porta. E, não se esqueça, os santos são aqueles que já estão no reino: pelo poder da promessa de Deus na antiga dispensação e pelo Espírito de Cristo na nova dispensação. Porque são santos, eles foram lavados no sangue de Cristo, o governador soberano desse reino, que imputa a todos os seus a justiça que adquiriu na cruz.

Mas eles são santos que pecam, ou pecadores santificados. E assim, eles (eu e você) devem correr diariamente para Cristo como um refúgio para o fardo e cansaço dos nossos pecados. Corremos para Cristo, a porta; vemos a bem-aventurança gloriosa do reino dos céus; atacamos a porta (com petições ansiosas por perdão no sangue de Cristo e para obter a bem-aventurança que é encontrada nesse reino). Tomamos o reino por força.

Até mesmo o ataque do reino pelos santos é mediante o poder de estar nesse reino, pois é Deus quem opera em nós tanto o querer como o realizar a sua boa vontade (Fp. 2:12-13). As atividades nas quais o crente se engaja, capacitado pela graça, são suas ações, ações pelas quais ele é até mesmo recompensado. Que ninguém diga que não precisa fazer algo. O mandamento do evangelho ao povo de Deus é: “Sejam o que Deus fez de vocês!”. Ataquem a porta e tomem o reino por violência! E atravessem a porta, que é Cristo!



Prof. Herman Hanko
Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto*
Fonte: Covenant Reformed News, November 2007, Volume XI, Issue 19 (http://www.cprf.co.uk/)

0 comentários:

Postar um comentário

Tags

10 Mandamentos 1Coríntios 1Reis 1Samuel 1Tessalonicenses 1Timóteo 2Coríntios 2Reis 666 Aborto Abraão Adão Adultério Adventismo Alá Albert Einstein Aleluia Allan Kardec Alma Amalequitas Ameaça Amizade Amor Aniversário Anjos Anti Cristo Antigo Testamento Apocalipse Apócrifos Apologética Apóstolos Arca de Noé Arminianismo Arqueologia Arrebatamento Arrependimento Árvore da Vida Ateismo Baruque Bate-Seba Batismo Besta Bíblia Big Bang Bizarro Blasfêmia Bode Bode Expiatório Bondade Bruxas Budismo Caim Calvinismo Candomblé Cântico dos Cânticos Caridade Carma Carnaval Carne Casamento Catolicismo Cavaleiros do Apocalipse Celebridades Céu Ciência Cientologia Cinema Circuncisão Ciúmes Classe Social Coliseu Colossenses Condenação Confissão Positiva Confucionismo Conhecimento Conhecimento Histórico Coração Cordeiro Corpo Corpus Christi Cosme e Damião Cotidiano Crenças Crentes Criacionismo Crianças Criminosos Cristão Cristianismo Crucificação Cruz Culpa Cura Curiosidades Daniel Darwin Davi Decepção Demônios Desenhos Deus Deuteronômio Devocional Diabo Dificuldades Bíblicas Dilma Rousseff Dilúvio Dinossauros Disney Dízimos e Ofertas Dons Espirituais Doutrinas Dúvidas Eclesiastes Éfeso EG White Egito Elanã Eliseu Erros Esperança Espiritismo Espírito Santo Esportes Estudos Bíblicos Evangelho Evangelho de João Evangelho de Lucas Evangelho de Marcos Evangelho de Mateus Evangelismo Evolucionismo Êxodo Ezequiel Facebook Falsos profetas Famosos Fanatismo Fantasmas Faraó Farsas Fatos Filantropia Filmes Filosofia Fim dos Tempos Física Fome Força Fraqueza Gaio Gálatas Ganância Gênesis Gideão Glória Golias Graça Hamas Hebreus Heresias Heróis Homem Homossexualismo Humilhação Igreja Igreja Evangélica Imagens Incenso Infantil Infarto Inferno Inquisição Interessante Internet Invocação Isaías Islamismo Israel Jardim do Éden Jeremias Jesus Cristo Jezabel João Batista João Calvino Jogos John Piper Jonas Josué Jovem Rico Jovens Judá Judaísmo Judas Judas Iscariotes Ladrão Laodicéia Leão Lei Leitura Levítico Liberdade Línguas Estranhas Listas Livro de Jó Livros da Bíblia Lua Lúcifer Lucro Lutero Mal Malaquias Maldade Maldição Maldições Hereditárias Manassés Maomé Marca Marca da Besta Marco Feliciano Maria Médium Melquisedeque Mentira Microcefalia Mirra Mitos Moisés Mormonismo Morte Motivacional Muçulmanos Mulheres Múmias Musica Namoro Natal Nefilins Neopentecostal Nero Noé Noticias Novela Novo Testamento Números Obelisco Ocultismo Ódio Oração Oráculos Orgulho Orixás Oséias Ouro Ovelhas Paganismo Pai Papa Para Refletir Parábolas Páscoa Paulo de Tarso Paz Pecado Pedofilia Pedro Pentateuco Perseguição Pobreza Polêmica Política Poltergeist Possessão Demoníaca Predestinação Preguiça Profecia Profetas Provações Psicologia Purgatório Raabe Raul Seixas Rede Globo Redes Sociais Reforma Protestante Reis Religião Ressurreição Revolução Riqueza Rocha Roma Rosa de Saron Sábado Salmos Salomão Salvação Samaritanos Sangue Santos São Jorge Satanás Satanismo Saul SBT Segunda Vinda Seio de Abraão Seitas Semana Santa Senaqueribe Sentimento Sete Espíritos Sexualidade Sinais Síndrome Sinistro Síria Sobrenatural Socialismo Sol Sonhos Stephen Hawking Subliminar Sugestões Suicídio Taoismo Televisão Templo de Salomão Teologia Teologia da Prosperidade Terra Terra Prometida Testemunhas de Jeová Textos Transformação Trindade Trono Tutancâmon Twitter UFO Universalismo Universo Verdade Vida Vídeos Violência Youtube Zacarias