O arrependimento do rei Manassés e de sua dedicação a Deus após ter sido liberto do cativeiro na Babilônia é mencionado em 2 Crônicas 33.13-16 (cf. v. 11). Em profundo desespero, ele clamou pela misericórdia de Deus, a quem havia rejeitado e de quem tanto zombara durante seu reinado de algumas dezenas de anos. É espantoso que Deus tenha ouvido seu clamor, libertando-o. Segundo os versículos 15 e 16, Manassés apressou-se em remover todos os ídolos que ele mesmo havia instalado no templo em Jerusalém e os altares pagãos que espalhava por toda parte, atirando-os a um monte de lixo fora dos muros da cidade. A seguir, ele restaurou o culto a Iavé no templo, de acordo com a lei de Moisés, encerrando seus dias em comunhão com Deus.

Mas por que a conversão desse rei perverso não é mencionada no registro de 2 Reis 21? Os primeiros nove versículos desse capítulo descrevem com minúcias sua violação pecaminosa à aliança de Deus e a influência corrosiva que ele exercera na decadência espiritual do povo de Deus. Os seis versículos seguintes registram a sentença severa de Deus, a destruição total de Jerusalém e do Reino do Sul, por causa da perversidade sem paralelo de Manassés. O relato se encerra (v. 16-18) com um resumo do derramamento de sangue e da onda de violência que afligiram Jerusalém sob seu reinado, não fazendo menção, em momento algum, a uma drástica mudança em seu coração antes de ele morrer e ser sepultado.

Pareceria estranho que um acontecimento tão importante, o arrependimento de um rei em seus últimos dias de um reinado ímpio, não recebesse alguma menção. Entretanto, parece que a razão disso está no propósito que orientou o autor dos livros de Reis. Parece que ele não estava tão interessado no relacionamento pessoal dos líderes nacionais com o Senhor quanto na atitude da nação, como um todo, no que dizia respeito às suas responsabilidades sob a aliança. Do ponto de vista dasconseqüências, o reinado de Manassés só fez aumentar o desastre espiritual de Judá; até mesmo sua reforma e a restauração pessoal à comunhão com Deus pouco influenciaram a nação porque chegaram muito tarde. Sob o reinado de seu filho e sucessor, Amom, o povo voltou ao modo de vida imoral e idólatra, exatamente como antes de seu pai retornar do cativeiro. A maldição de Deus sobre a cidade ainda não havia sido levantada, pelo que o desastre de 587 a.C. sobreveio a todos os judeus.

No entanto, o autor de Crônicas demonstra interesse pessoal no relacionamento que cada líder ou rei manteve com Deus. Assim é que em 1 Reis 15.9-24 temos um registro relativamente curto sobre o reinado de Asa, centralizado no erro grave que ele cometeu ao subornar Ben-Hadade, de Damasco, para que este invadisse Israel, vindo do norte, o que compeliria Baasa a desistir de sua fortificação em Ramá, na fronteira ao sul. Parece que a manobra deu certo, e essa fortaleza foi completamente destruída, mais tarde, pelas tropas de Asa. Todavia, conseqüências sinistras adviriam desse ato. Em 2 Crônicas 16.7-9, o profeta de Deus, Ananias, precisou repreender Asa pelo fato de esse rei confiar no monarca da Síria para livrá-lo, em vez de confiar em Deus. O profeta o fez lembrar do modo maravilhoso como Iavé o livrara na terrível luta contra um exército imenso, formado de etíopes e egípcios. Asa se colocara completamente nas mãos misericordiosas de Deus. O episódio é descrito em minúcias em 2 Crônicas 14.9-15, sendo omitido em 1 Reis.

Voltando um pouco mais, encontramos em 2 Crônicas 13.2-20 um longo e minucioso relato da vitória obtida por Abias, filho de Roboão, sobre Jeroboão I. Esse incidente é omitido em 1 Reis porque não produziu resultados duradouros na luta entre os dois reinos. Entretanto, foi importante para o cronista, porque demonstrou como Deus de modo maravilhoso livra aqueles que, à semelhança de Abias, nele confiam, apesar das grandes dificuldades e das circunstâncias adversas. Desse modo, discernimos os padrões de seleção usados pelos dois escribas. O livro de 1 Reis focaliza os resultados globais do reinado de cada rei, à luz da fidelidade à aliança de Deus. O cronista, todavia, estava interessado em registrar os grandes momentos de fé, ainda que não houvesse conseqüências permanentes para a nação. A omissão de um fato nos livros de Reis não constitui, portanto, motivo para dúvida quanto à sua historicidade em Crônicas, assim como a exclusão num acontecimento de um evangelho sinótico de modo algum justifica a dúvida quanto à sua autenticidade se ele é narrado em João.

Extraído da "Enciclopédia de Temas Bíblicos"

0 comentários:

Postar um comentário

Tags

10 Mandamentos 1Coríntios 1Reis 1Samuel 1Tessalonicenses 1Timóteo 2Coríntios 2Reis 666 Aborto Abraão Adão Adultério Adventismo Alá Albert Einstein Aleluia Allan Kardec Alma Amalequitas Ameaça Amizade Amor Aniversário Anjos Anti Cristo Antigo Testamento Apocalipse Apócrifos Apologética Apóstolos Arca de Noé Arminianismo Arqueologia Arrebatamento Arrependimento Árvore da Vida Ateismo Baruque Bate-Seba Batismo Besta Bíblia Big Bang Bizarro Blasfêmia Bode Bode Expiatório Bondade Bruxas Budismo Caim Calvinismo Candomblé Cântico dos Cânticos Caridade Carma Carnaval Carne Casamento Catolicismo Cavaleiros do Apocalipse Celebridades Céu Ciência Cientologia Cinema Circuncisão Ciúmes Classe Social Coliseu Colossenses Condenação Confissão Positiva Confucionismo Conhecimento Conhecimento Histórico Coração Cordeiro Corpo Corpus Christi Cosme e Damião Cotidiano Crenças Crentes Criacionismo Crianças Criminosos Cristão Cristianismo Crucificação Cruz Culpa Cura Curiosidades Daniel Darwin Davi Decepção Demônios Desenhos Deus Deuteronômio Devocional Diabo Dificuldades Bíblicas Dilma Rousseff Dilúvio Dinossauros Disney Dízimos e Ofertas Dons Espirituais Doutrinas Dúvidas Eclesiastes Éfeso EG White Egito Elanã Eliseu Erros Esperança Espiritismo Espírito Santo Esportes Estudos Bíblicos Evangelho Evangelho de João Evangelho de Lucas Evangelho de Marcos Evangelho de Mateus Evangelismo Evolucionismo Êxodo Ezequiel Facebook Falsos profetas Famosos Fanatismo Fantasmas Faraó Farsas Fatos Filantropia Filmes Filosofia Fim dos Tempos Física Fome Força Fraqueza Gaio Gálatas Ganância Gênesis Gideão Glória Golias Graça Hamas Hebreus Heresias Heróis Homem Homossexualismo Humilhação Igreja Igreja Evangélica Imagens Incenso Infantil Infarto Inferno Inquisição Interessante Internet Invocação Isaías Islamismo Israel Jardim do Éden Jeremias Jesus Cristo Jezabel João Batista João Calvino Jogos John Piper Jonas Josué Jovem Rico Jovens Judá Judaísmo Judas Judas Iscariotes Ladrão Laodicéia Leão Lei Leitura Levítico Liberdade Línguas Estranhas Listas Livro de Jó Livros da Bíblia Lua Lúcifer Lucro Lutero Mal Malaquias Maldade Maldição Maldições Hereditárias Manassés Maomé Marca Marca da Besta Marco Feliciano Maria Médium Melquisedeque Mentira Microcefalia Mirra Mitos Moisés Mormonismo Morte Motivacional Muçulmanos Mulheres Múmias Musica Namoro Natal Nefilins Neopentecostal Nero Noé Noticias Novela Novo Testamento Números Obelisco Ocultismo Ódio Oração Oráculos Orgulho Orixás Oséias Ouro Ovelhas Paganismo Pai Papa Para Refletir Parábolas Páscoa Paulo de Tarso Paz Pecado Pedofilia Pedro Pentateuco Perseguição Pobreza Polêmica Política Poltergeist Possessão Demoníaca Predestinação Preguiça Profecia Profetas Provações Psicologia Purgatório Raabe Raul Seixas Rede Globo Redes Sociais Reforma Protestante Reis Religião Ressurreição Revolução Riqueza Rocha Roma Rosa de Saron Sábado Salmos Salomão Salvação Samaritanos Sangue Santos São Jorge Satanás Satanismo Saul SBT Segunda Vinda Seio de Abraão Seitas Semana Santa Senaqueribe Sentimento Sete Espíritos Sexualidade Sinais Síndrome Sinistro Síria Sobrenatural Socialismo Sol Sonhos Stephen Hawking Subliminar Sugestões Suicídio Taoismo Televisão Templo de Salomão Teologia Teologia da Prosperidade Terra Terra Prometida Testemunhas de Jeová Textos Transformação Trindade Trono Tutancâmon Twitter UFO Universalismo Universo Verdade Vida Vídeos Violência Youtube Zacarias